Obrigada a todos que Segue este Blog

OBRIGADA POR SEGUIR O MEU BLOG

terça-feira, 27 de novembro de 2012

DIREITO DE CEGAR AGRESSOR


IRANIANA DEFORMADA GANHA NA JUSTIÇA DIREITO DE CEGAR AGRESSOR

Imagens mostram Ameneh Bahrami antes do ataque, em 2004, (à dir.) e agora, em visita a Teerã, depois do tratamento (à esq.) ao qual foi submetida em Barcelona, na Espanha, com a ajuda financeira do governo iraniano
A iraniana Ameneh Bahrami, 34, ficou desfigurada depois que um colega de faculdade com quem ela não queria se casar atirou ácido em seu rosto. Em 2011, ela obteve o direito de aplicar a Lei de Talião, mas, na última hora, perdoou o agressor.
Residente na Espanha, Ameneh voltou ao Irã para lançar sua biografia “Auge um Auge” (“olho por olho”, em alemão), sem previsão de lançamento no Brasil.
Leia o depoimento de Ameneh Bahrami à Folha:
“Nasci de um pai militar e de uma mãe professora de escola primária e tive uma infância feliz crescendo ao lado de minhas duas irmãs e dois irmãos em Teerã. 
Terminado o segundo grau, me inscrevi na faculdade de Engenharia Eletrônica na Universidade Eslamshahr. 
Em 2003, uma senhora me telefonou dizendo que tinha um filho que estudava comigo e queria me pedir em casamento. Ela me disse seu nome, Majid Movahedi, e então fui conferir quem era.
Eu o conhecia de rosto, mas não sabia seu nome. Quando a mãe me ligou de novo, contei que não estava interessada. Não ia com a cara dele e, além disso, ele um dia havia mexido comigo durante uma oficina de laboratório, tocando minhas coxas. 
Mas ela continuou ligando, dizendo que seu filho era homem e, por isso, tinha direito de escolher quem bem entendesse para ser sua mulher. Após meses recebendo ligações, exigi que ela parasse de telefonar. Ela respondeu que seu filho iria se matar se não se casasse comigo. 
Meses depois, me formei e consegui um emprego numa empresa de equipamentos médicos. 
Eu só soube muito tempo depois que Majid naquela época vivia me seguindo e levantando todo tipo de informação a meu respeito, desde horários até nomes de colegas. 
Certa vez ele me ligou dizendo que estava disposto a me matar se eu não me casasse com ele. Não levei a sério e continuei vivendo normalmente, até que um dia, em outubro de 2004, eu o vi me esperando na frente da empresa. 
Repeti que não o queria e contei que tinha um marido. Majid respondeu: ‘É mentira, pois sei tudo a seu respeito. Case comigo ou vou arruinar sua vida’. 
Dois dias depois, saí do trabalho por volta das 16h30 e caminhava pela rua quando senti alguém apressado atrás de mim. Deixei a pessoa me ultrapassar e vi que era Majid, com um frasco na mão. 
Ele atirou um líquido no meu rosto, pensei que fosse água quente. Ele riu e saiu correndo, e minha vista escureceu. 
A última coisa que meus olhos enxergaram foi o tênis de Majid. Logo senti uma queimação atroz e entendi que o líquido que escorria pelo meu rosto não era água quente, mas ácido sulfúrico. 
Comecei a gritar no meio da rua e arranquei desesperadamente minha roupa e até meus calçados, que não paravam de queimar. 
Doía muito e eu não enxergava nada. Trouxeram água e eu molhei minhas mãos e braços, mas o efeito foi pior, pois minha pele começou a ferver. Um homem me disse: Não leve a água à cabeça, senão seu rosto vai se desmanchar. 
Fui levada de hospital em hospital até ser atendida. 
Nem na clínica de queimados sabiam o que fazer comigo. Diziam nunca ter visto um caso assim. Cinco horas depois, um médico anunciou que meu olho esquerdo estava perdido e que meu olho direito tinha chance de ser salvo. 
Com ajuda financeira do então presidente Mohammad Khatami, fui fazer tratamento em Barcelona, onde uma operação bem-sucedida me permitiu recuperar 40% da visão do olho direito”.
Sem dinheiro nem teto
Ameneh Bahrami conta que com a eleição em 2005 do atual presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, ele cortou a ajuda financeira que ela recebia do governo iraniano. “Mergulhei numa situação muito difícil na Espanha, sem dinheiro nem teto”.
Ela relata que em 2007, pegou uma infecção num abrigo social e perdeu de vez o olho direito. “Foi aí que decidi voltar ao Irã para pedir a Lei de Talião (olho por olho, dente por dente, criada na Babilônia antiga)”.
Apesar da Justiça iraniana argumentar que a lei nunca era aplicada, Ameneh Bahrami ganhou a causa no ano passado.
O agressor Majid já estava no hospital judiciário para ser cegado, quando Bahrami anunciou que o perdoava. “Ele se jogou no chão e beijou meus pés”.
“No fundo eu nunca quis aplicar a Lei de Talião. Jamais poderia fazer isso, não sou selvagem. Eu queria mesmo chamar a atenção para o caso e evitar que outras pessoas passem pelo que sofri”, disse Ameneh Bahrami.
“Hoje o que importa é o dinheiro. Quero que ele me pague 150 mil. Mas ele foi solto pela Justiça, que não gostou de eu ter recuado da lei.
Há muita complicação, mas continuo atrás do dinheiro. Volto dentro de alguns dias para Barcelona, onde sigo tratamento e vivo com a ajuda que Ahmadinejad retomou depois que eu perdoei Majid.
Um médico na Espanha acha que pode recuperar meu olho esquerdo. Enquanto isso, quero que meu livro saia no mundo todo”.
Deixe o seu comentário no Verdade Gospel.
Fonte: Folha

BRIGA DE MARIDO E MULHER



‘EM BRIGA DE MARIDO E MULHER, CIVIL METE A COLHER’, DIZ DELEGADA.

A delegada Marta Rocha é chefe de Polícia Civil do Rio de Janeiro desde 2011
Nove homens acusados de assassinato ou tentativa de homicídio contra mulheres foram presos nesta sexta-feira (23) pela Polícia Civil. As capturas, segundo a chefe da instituição, delegada Martha Rocha, marcam o Dia Internacional da Eliminação da Violência Contra a Mulher, que será comemorado neste sábado (24). Todos tinham mandados de prisão pendentes.
“Fica o alerta para todos: em briga de marido e mulher, a Polícia Civil mete a colher”, afirmou Martha Rocha. Ela ressaltou que quatro novas Delegacias Especiais no Atendimento à Mulher (Deam) devem ser inauguradas até março em Nova Iguaçu, São Gonçalo, Campos e Cabo Frio.
A partir de investigações de delegacias distritais, policiais das 11 Deams desencadearam a operação desta sexta-feira em todo o estado. Os suspeitos estão envolvidos em casos registrados desde 2004.
“Essa foi a maneira da Polícia Civil comemorar a data”, ressaltou Martha Rocha, referindo-se às prisões.
Ainda de acordo com a chefe de Polícia, todos os mandados de prisão pendentes relacionados a homicídio ou tentativa de homicídio contra mulheres serão cumpridos até o fim do ano. Mais de 20 suspeitos são procurados.
Explicação
Perguntada sobre o motivo de as prisões só terem ocorrido na véspera do Dia da Eliminação da Violência contra a Mulher, a delegada afirmou que a corporação sempre tenta cumprir os mandados de prisão pendentes. “Nesse momento foi possível prendê-los, mas isso não quer dizer que a polícia não tenha tentado capturá-los antes”.
Ela também fez um apelo às mulheres, pedindo para elas procurarem a polícia logo no primeiro caso de agressão. “A violência doméstica não está maior. O que aumentou foi o número de notificações”, concluiu a policial.
Deixe o seu comentário no Verdade Gospel.
Fonte: O Dia
Fonte: http://www.verdadegospel.com

PRIMEIRO TRANSPLANTE DE FACE


MULHER DO 1º TRANSPLANTE DE FACE FALA COMO PERDEU O ROSTO

Isabelle Dinoire diz que pensa constantemente na mulher morta cuja face recebeu no transplante
Ao se olhar no espelho, o que a francesa Isabelle Dinoire vê é uma mistura de duas pessoas – ela própria e a mulher cujo rosto recebeu no primeiro transplante facial da história, há sete anos.
“O mais difícil é me encontrar outra vez, como a pessoa que eu era, com a face que eu tinha antes do acidente. Mas eu sei que isso não é possível”, diz a francesa, de 45 anos e mãe de dois filhos.
“A doadora está sempre comigo”, afirma Dinoire à BBC, em uma rara entrevista. Após um momento ela complementa: “Ela salvou minha vida”.
Dinoire regularmente recusa pedidos da mídia por entrevistas e raramente concorda em ser fotografada. Na entrevista à BBC ela parece relaxada e autoconfiante, mas sua experiência traumática deixou suas marcas, físicas e mentais.
Ela ainda tem uma cicatriz visível que passa por cima de seu nariz e sob o queixo, onde os médicos especialistas do Hospital Universitário de Amiens, no norte da França, passaram 15 horas costurando o rosto da doadora ao seu. Um de seus olhos ainda parece levemente caído.
Poça de sangue
Dinoire passou um tempo reclusa após o transplante por temor à atenção recebida da mídia
Falando com um pouco de dificuldade – e com uma simplicidade quase alarmante – ela conta como, em uma crise de depressão em maio de 2005, tomou uma overdose de pílulas para dormir em uma tentativa de suicídio.
Ela acordou ao lado de uma poça de sangue, com seu cão labrador ao seu lado. O cachorro aparentemente encontrou-a inconsciente e, desesperado para acordá-la, arrancou um pedaço de seu rosto.
“Não podia nem começar a imaginar que era minha cara ou meu sangue – ou que o cachorro havia mastigado meu rosto”, ela diz.
Os ferimentos em sua boca, seu nariz e seu queixo eram tão graves que os médicos imediatamente descartaram uma reconstrução facial de rotina. Em vez disso, eles propuseram um pioneiro transplante de face.
“Desde a primeira vez que eu me vi no espelho após a operação sabia que era uma vitória. Eu não parecia bem por causa de todos os curativos, mas tinha um nariz, tinha uma boca – era fantástico”, ela diz. “Eu podia ver nos olhos das enfermeiras que tinha sido um sucesso”.
Incapaz de falar direito por causa da traqueostomia feita para a operação, tudo o que ela podia murmurar era um simples “obrigado”.
Olhares curiosos
A felicidade de Dinoire ao ver sua nova face, porém, rapidamente azedou. Ela estava completamente despreparada para a atenção que o caso atraiu para ela.
Perseguida pela mídia, acossada por gente na rua e por olhares curiosos, Dinoire passou meses após a operação escondida em sua casa, sem se aventurar do lado de fora.
“Foi penoso. Eu vivo em uma cidade pequena, então todo mundo sabia da minha história. Não foi fácil no começo. As crianças riam de mim e todos diziam: ‘Olha, é ela, é ela’”, conta. Ela diz ter se sentido como “um animal de circo”.
Hoje em dia, as pessoas ainda a reconhecem na rua, mas a atenção não é “tão brutal” como antes, ela diz.
“Com o tempo eu me acostumei à minha própria cara. É assim que eu me pareço, como eu sou. Se as pessoas me olham com insistência, eu não ligo mais, só fico olhando de volta”, ela conta, com um leve sorriso no rosto.
Riscos e benefícios
Mas será que sua personalidade mudou também com sua aparência exterior? “Não”, ela responde rapidamente. “Eu ainda sou a mesma, só com uma face diferente”, diz.
De acordo com a professora Sylvie Testelin, uma das médicas que operou Dinoire em Amiens, nem todos os pacientes com ferimentos faciais graves podem receber um transplante.
Em 2005, ninguém estava realmente seguro sobre os efeitos de longo prazo em pacientes que tomavam coquetéis de drogas para o resto de suas vidas para prevenir a rejeição do novo tecido pelo corpo.
Mas no caso de Dinoire – e de duas outras pessoas na França que passaram com sucesso por transplantes de face desde então – os benefícios de longe superam os riscos. ”Ninguém pode imaginar o que é viver sem um rosto. Ela (Dinoire) pode. Mas precisamos garantir que é a opção correta para o paciente”, diz Testelin.
Em todo o mundo, já houve cerca de uma dezena de operações do tipo com sucesso – nos Estados Unidos, na Espanha, na Turquia e na China. “Você não pode imaginar o número de pessoas que querem transplantes, mas não é um jogo ou uma corrida para fazer mais e mais”, diz ela.
Segundo Testelin, um dia Dinoite poderá ter que enfrentar a possibilidade de uma rejeição da face por seu corpo. Como sua médica, ela também tem que estar preparada para isso, mas diz esperar que isso nunca ocorra.
Dinoire é mais serena sobre seu futuro. “Eu digo a mim mesma que tudo vai ficar bem. Se eu tomar meus remédios, tudo vai ficar bem”, ela diz.
‘Doação mágica’
Ela passa seus dias visitando alguns poucos amigos próximos e passeando com seu novo cão de estimação – ela ficou arrasada quando o labrador que ela tinha em 2005 teve que ser sacrificado.
Ainda sujeita a crises de depressão, ela diz pensar constantemente sobre a mulher morta cuja face recebeu. Logo após a operação, ela se via surfando na internet à procura de detalhes sobre a doadora anônima – cuja identidade deverá ficar protegida, de acordo com as leis francesas.
“Quando me sinto para baixo, ou deprimida, eu me olho no espelho outra vez e penso nela. E digo a mim mesma que não posso desistir. Ela me dá esperança”, diz.
Dinoire diz que gostaria até mesmo de um dia poder encontrar a família da doadora, para agradecê-los pelo que descreve como sua “doação mágica”.
Deixe o seu comentário no Verdade Gospel.
Fonte: BBC Brasil

sábado, 17 de novembro de 2012

O VASO CHINÊS




- " Existem algumas particularidades nas louças chinesas, as quais existem somente nelas. Se tu buscas uma perfeita simetria, um desenho delicado e gracioso, uma textura lisa deslizante, tu estás na busca de um vaso chinês."

Esses objetos de adorno não pertencem a grande massa chinesa, pois a população se contenta com tarros de lata, ou vasos de argila. Já os vasos chineses exigem um grande valor, e quem os possui, não os vende. É algo delicado, passado em gerações... Os vasos chineses possuem mitos ao seu redor, mistérios que não podem ser vistos a quem lhe encara a face. As pessoas pelas quais os vasos passam, jamais serão as mesmas... E isso sim, é uma verdade absoluta.

- "Sente-se na poltrona marrom, vou roubar alguns minutos do seu tempo..."

- " Existem milhares de vasos no mundo... Cada um deles possui suas peculiaridades, e é certo que todos possuem seu valor, mesmo torrencialmente banalizados.

Mas se vem alguém e escolhe um vaso chinês, não está escolhendo um vaso de argila, um vaso de bronze, mas um vaso chinês. Dá-se conta que é um artigo único, e como tal deverá ser visto assim... A questão é que o vaso chinês escolhe o dono, e não o contrário, e este por sua vez, dar-se-á nele uma espécie de orgulho. "

O objeto oriental porém, carrega consigo uma espécie de mal jeito, da qual nenhum dono escapa. Era de se esperar, uma vez que o artigo não pode trazer só pontos positivos. Vou contar-lhes um segredo a respeito dos vasos chineses!

Ouça com atenção o que vos digo, pois quando sentir que carrega o seu, não estará exposto ao erro: Um vaso chinês é entregue a pessoa por diversos motivos, mas não é por diversos motivos que ele ficará ao seu lado.

O vaso chinês é uma peça linda, elegante, mas extremamente frágil... Suas bordas possuem milímetros, sua louça é escorregadia... Ele exigirá mais do seu ser do que poderá vós um dia imaginar! Uma vez que vós deixais o vaso cair... Ele nunca... Nunca mais... Será o mesmo. Cortará sua pele com os estilhaços e deixará cicatrizes quase eternas!

O senhor já se cortou com um pedaço de vaso chinês?
- O que você acha?

- ... E vós serás o culpado, e não esquecerás, e jamais se dará perdão, pois acaba de partir em mil pedaços... O que antes era um vaso chinês.

Hum... ele nunca mais voltará a ser o que era para vós... Poderás troca-lo, poderás colá-lo, poderás fazer o que bem queres... Poderás então obter outros vasos, de cobre, latão, argila, vidro... Mas jamais encontrará o vaso chinês novamente...

- Eles escolhem a ti uma vez, assim como tu a eles.
Observas o meu rosto? Vê essa cicatriz? Eu já tive meu vaso chinês, garoto...

Agora me diga, você já teve o seu?

sábado, 10 de novembro de 2012

“MULHERES EM BUSCA DA ÁGUA VIVA”





João 4. 10

A MULHER SAMARITANA


Introdução: - Veja a importância que Jesus deu e dar as mulheres. [Mt 1. 3, 5, 6 e 16. [Tamar, Raabe, Rute, Bate-Seba e Maria. Tamar, Raabe e Bate-Seba estão ligadas a pecados sexuais; Raabe e Rute não são judias, e Rute pertence à nação de Moabe que tem sua origem num incesto.(Veja Gn 19. 30-37; Dt 23. 3); Maria era uma jovem judia humilde. Todas o Senhor permitiu pelo seu Espírito, de fazerem parte de sua santa Genealogia.

Os Evangelhos estão repletos de histórias de mulheres que Jesus salvou, curou, libertou de demônios, e que Ele deixou seguir no seu discipulado.
Maria Madalena se tornou a grande líder feminina na época do ministério de Jesus Cristo.

(João 4.4-6) Jesus não fez o percurso entre a Galileia e a Judeia do modo como os judeus costumavam fazer, pois eles cruzavam o Jordão e iam para a margem oriental, para não passar por Samaria (vs. 3-4). Em Sicar, Jacó comprou um pedaço de terra dos filhos de Hamor por cem peças de dinheiro e armou sua tenda (v.5; veja Gn 33. 18-20). Jesus encontrou a mulher samaritana enquanto descansava próximo ao poço de Jacó, local não mencionado no AT.

[João 4. 7]: Não era comum uma mulher ir ai poço ao meio-dia,  por se tratar do período mais quente do dia. As mulheres do Oriente Médio, geralmente, enchiam seus cântaros de manhã cedo e ao entardecer, quando a temperatura estava mais amena. A mulher samaritana tinha má reputação e talvez tivesse ido ao poço ao meio-dia para evitar encontrar com outras mulheres, que poderiam eventualmente, desprezá-la.







[João 4.9]: Jesus simplesmente ignorou as regras sociais do seu tempo, porque queria falar com a mulher samaritana.
Ao passar propositadamente por Samaria, a caminho da Galileia, Jesus encontrou essa mulher no poço de Jacó, perto da cidade de Sicar, e falou com ela, quebrando três importantes regras sociais:

1.  Em primeiro lugar, as mulheres eram consideradas muito inferiores aos homens. Um homem do Oriente Médio jamais falaria com uma mulher em público, mesmo que ela fosse sua esposa, mãe ou irmã.

2. Em segundo lugar, os judeus não falavam com os samaritanos, pois achavam que eles haviam traído sua fé ao realizarem casamentos com estrangeiros. Judeus e samaritanos se odiavam mutuamente e evitavam qualquer contato.

3. Em terceiro lugar, nenhum homem respeitável, especialmente um mestre, falaria com uma mulher de tão má reputação. Aquela mulher era socialmente rejeitada.

Jesus ignorou todas essas barreiras sociais ao conversar com a samaritana. Ele se revelou como o Messias que todos aguardavam ansiosamente, oferecendo perdão, redenção e uma nova vida. Ela bebeu da taça de água viva que Jesus lhe ofereceu e foi correndo até a cidade, para dar a notícia àquelas pessoas que a desprezavam: o povo de Samaria. Ao chegar lá, proclamou radiante e sem qualquer constrangimento a vinda do messias prometido.

O povo de Samaria também ansiosa pela água viva e respondeu com entusiasmo à mensagem de Cristo. Anos depois, Jesus ordenou a seus discípulos que fossem testemunhar em Samaria (At 1. 8), e um diácono chamado Filipe abriu ali uma missão (At 8. 5). Contudo, a primeira pessoa a proclamar as Boas Novas de Jesus Cristo aos habitantes de Samaria foi uma mulher pecadora e imoral que bebeu da água que Jesus lhe ofereceu e foi perdoada, lavada e regenerada e nunca mais voltou a ter sede.

[João 4. 10] – Água Viva.  No sentido natural significa água potável que flui de fonte ou dentro de um poço. Espiritualmente significa a salvação (“dom de Deus”) em Cristo, fonte de vida eterna a jorrar (14; cf. 19.34) aqueles que vêm para Ele e creem nele (Jo 7. 37,38). A água simboliza o Espírito Santo em 7. 39.

João aplica esses temas a Jesus Cristo como a água viva, que é simbólica da vida eterna mediada pelo Espírito Santo de Cristo (v. 14; 6. 35; 7.37-39). Jesus usou a necessidade de água física da mulher para sustentar a vida na região árida em que vivia como uma lição prática da necessidade que ele tinha de transformação espiritual. [Ela não se dei conta de imediato de sua necessidade]







Conclusão: - Primeiro o Senhor Jesus quer ter um encontro com Você MULHER; e mostrar a necessidade que você tem de um Salvador e Libertador – JESUS.  DEPOIS Ele quer encher Você do Seu Espírito Santo – Água Purificadora e Transformadora – aí, você estará apta a proclamar.

MULHERES NO MINISTÉRIO CRISTÃO - FRAGILIDADE E FORÇA






 
Escrevi o capítulo 
Convicções e Dilemas de uma Pastora




Longe de querer levantar a bandeira feminista, "Mulheres no Ministério Cristão - Fragilidade e Força", da Betel Publicações, traz ferramentas para a atuação da mulher nas igrejas. O livro é uma compilação de 29 artigos, escritos por 22 autoras, membros atuantes de 10 denominações evangélicas, em diferentes estados no Brasil. Os textos foram organizados em cinco blocos temáticos: "Dons e ministérios", "Espiritualidade", "Vida pessoal e familiar", "Equilíbrio emocional" e "Alguns conflitos Nossos".


Além de um adendo com cinco artigos que mostram recursos práticos para o apoio mútuo entre mulheres e o estimulo à formação de pequenos grupos. A obra foi lançada no Congresso "Mulheres em Ministério", que aconteceu em Atibaia (SP), de 17 a 19 de abril. O evento, promovido pela SEPAL Mulher, contou com a participação de aproximadamente 180 participantes de 32 denominações, entre elas: pastoras, esposas de pastor, missionárias e mulheres em liderança.


Cláudia Mércia Miranda, coordenadora editorial e editora, conta que os textos, além de debaterem temas pertinentes ao ministério feminino, são pessoais: "Há, por exemplo, a experiência de uma médica que depois de algum tempo o marido sentiu o chamado para o ministério, assumiu uma igreja e foi trabalhar em uma cidade periférica, uma comunidade carente, onde ela não tinha como exercer a Medicina, porque ela dependia de laboratórios [...] Então ela mostra como viver esse chamamento para ser uma mulher de pastor atuante na comunidade [...] Hoje ela consegue usar os conhecimentos da Medicina, ser uma mulher influente como esposa de pastor e mobilizar a comunidade dela. Nesses artigos, além dos princípios bíblicos com os quais as autoras defendem os temas propostos, elas também se colocam, mostram-se [...] Há um pouco de testemunho".

Ideia

A ideia do livro surgiu com a formação do grupo de trabalho "Mulheres no Ministério", da SEPAL - Servindo a Pastores e Líderes. Por meio de uma pesquisa, a missão avaliou que entre as necessidades da mulher na Igreja, estava a falta de ferramentas e de literatura direcionada ao segmento. A responsável pela organização e convite das autoras, todas as mulheres atuantes na obra de Cristo, foi Barbara Lamp.

Missionária da SEPAL, Barbara distribuiu temas de acordo com a experiência de vida e ministério das líderes.
"Ele busca preencher esta lacuna, oferecendo conteúdo muito próximo da realidade da mulher no ministério. Os desafios dela como mulher, como mãe, como criadora de filhos, como alguém que passa a tocha da fé aos seus próprios filhos e que é formadora também na comunidade onde ela congrega. Os desafios como esposa de pastor, como missionária, mulher em liderança", esclarece a editora.


A Mulher é a Exploração do Coração


O título do livro "Mulheres no Ministério cristão - Fragilidade e Força" relaciona-se à passagem bíblica de 2 Co 12:9: "A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo" (2 Co 12.9). A citação do apóstolo Paulo foi também tema de palestra da missionária Durvalina Bezerra, diretora do Seminário Betel Brasileiro (SP), durante o congresso da SEPAL, em Atibaia.


Autora dos artigos “Preparada para ministrar" e "Disciplinas Espirituais", partes da obra, Durvalina explica que a fragilidade não é uma questão de gênero: "Quando Paulo fala de fragilidade e força, ele está olhando a questão da nossa humanidade, nossa insuficiência ou incapacidade para fazer a obra de Deus e ser um verdadeiro discípulo de Cristo dentro dos parâmetros, dos princípios estabelecidos por Jesus. Então, se nós formos olhar para nossa própria personalidade humana, sabemos de nossa incapacidade para isso [...] Então, a fragilidade é o reconhecimento da insuficiência, da nossa inadequação [...]

Agora, quando percebemos o poder da graça de Deus, que nos favorece, nos fortalece, capacita o agir do Espírito Santo que nos assiste, que nos capacita com dons, com as virtudes da pessoa do Espírito Santo, temos recursos para viver e fazer a obra de Deus, dentro do princípio bíblico e do padrão de Jesus. Aí a gente pode dizer: “Somos fortes".

A missionária, que é também professora da disciplina "Vida Cristã", no Seminário Betel Brasileiro, reitera que não deseja expressar uma visão feminista sobre o ministério de mulheres: "Não levanto a bandeira do feminismo. Defendemos o quê? O valor da mulher. A mulher tem dons e talentos, tem vocação. Ela deve exercer seu ministério não porque é esposa de pastor, porque ela quer um título, porque precisa aparecer. Deve exercer o ministério por causa da sua vocação [...] Assim como Deus salva o homem, Deus salva a mulher, pelo mesmo preço, o sangue de Jesus. Assim como Deus dota um homem de dons e talentos, Deus dotou a mulher, dados pelo Espírito Santo. Então, no corpo de Cristo não há diferença, como o apóstolo Paulo fala em Gálatas 2: 18. Ele diz: "Porque em Cristo não há macho ou fêmea". Não há gênero! Não há judeu nem grego, não há raças".


Para a missionária, abordar o assunto é também confirmar o papel atual da mulher na sociedade. "52% dos alunos das Universidades são mulheres, um número maior do que o de homens. 52% dos projetos de empreendedorismo hoje são de mulheres. 30% dos lares atualmente são chefiados pelas mulheres. A mulher está na política, em cargos civis e militares. Por que não ter o espaço dentro da Igreja? Então, nós estamos dizendo: A mulher pode estar no ministério". No entanto, ela teme que esse espaço torne-se impulso para a disputa entre os sexos. "A mulher viveu por muitos anos pressionada, limitada, muitas vezes discriminada. Em alguns setores da igreja evangélica, ela ainda é vista como aquela que pode cuidar das crianças e participar da oração. Não lhe é dado o direito de ir ao púlpito, ensinar, pregar, liderar [...] Agora, a mulher não pode viver para competir com o homem. Esse é o nosso temor. Não é porque agora ela tem espaço, que vai se masculinizar. Não. 'A mulher pode contribuir com o mundo através de seu olhar feminino'. Através de sua contribuição de relação pessoal, ao sobrepor -se ao pensar racional, sentindo. Por quê? Porque mulher é a exploração do coração, não apenas da razão. O que não quer dizer que ela não pense". 



Livro aborda o ministério de mulheres sem levantar a bandeira feminista

Adriana Amorim



Fonte: http://caminhosdamulherdedeus.blogspot.com.br

A IMPORTÂNCIA DO MINISTÉRIO DE MULHERES NA IGREJA





Talvez nunca tenha havido um tempo na história em que fosse tão necessário o Ministério com Mulheres. Não um ministério que exista por si mesmo ou que busque um preenchimento da estrutura da igreja, mas um ministério que preencha a necessidade pessoal das mulheres. O ministério de Mulheres na Igreja deve procurar preencher essa lacuna, conduzindo as mulheres nos caminhos da vontade de Deus. Quando dizemos Ministério de Mulheres não queremos dizer programas, mas todo um esforço para realmente atingir a mulher.


PERFIL DA MULHER NO SÉCULO XXI


FAMÍLIA

• 3,2 milhões de mães solteiras.

• 1,7 milhões criam seus filhos sozinhas.

• 61% colocam a família em primeiro lugar e o casamento em sexto.

• 27% das pessoas acham que na vida em comum o maior problema são as brigas e as discussões em que o maior problema é o ciúme.

• Querem fazer do homem um companheiro em todos os sentidos e não um opressor.

• as mulheres se livraram da culpa de trair.


TRABALHO


• As mulheres são 80% das lutas ecológicas, 90% das lutas antiarmamentistas e 70% das lutas populares. A luta das mulheres visa à humanização do Estado e do mercado econômico.

• Globalização: Estamos saindo de uma era econômica e indo para outra em que o dinheiro manda no mundo, nas fronteiras, nas culturas.

• Competitividade.

• Discriminação, especialmente na questão salarial.

• Trabalho ocupando um horário muito extenso.

• Necessidade permanente de atualização.


ÉTICA

• As mulheres vivem em um mundo de confusão moral e ambivalência. 

• Jogo: bingo, corridas de cavalo e jogos de cartas leva à compulsão centenas de pessoas.



Parte da equipe de mulheres da IBAC


• Permissividade, dependência química. Na década de 80 era uma mulher soropositiva para cada grupo de 27 homens portadores do HIV. Hoje são uma para cada três homens.

• O que as mulheres consideram os maiores problemas: discriminação no trabalho, violência doméstica, dupla jornada de trabalho, desemprego, assédio sexual e falta de assistência.


O QUE AS MULHERES QUEREM DO TRABALHO DA IGREJA.


• Mais reuniões, não menos; semanais, não mensais.

• Estudo bíblico, não projetos ou missões, devia ser o foco principal.

• A diversidade de assuntos é essencial, de acordo com os interesses.

• Programas liderados por mulheres que pertencem à equipe da igreja têm maior continuidade e eficiência.


ELEMENTOS PARA UM MINISTÉRIO EFICAZ

• Começar com oração: descubra outras mulheres que querem participar do ministério e ore com elas.

• Recrutar e desenvolver liderança.

• Liderado por mulheres.

• Firmado no estudo bíblico

• Ter grupos de apoio para mulheres que enfrentam dificuldades específicas pessoais, com família, etc.

(Pra. Zenilda Reggiani

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

UMA MULHER INTELIGENTE FALANDO DOS HOMENS!




Vale a pena ler =)

Tive apenas um exemplar em casa, que mantive com muito zelo e dedicação num casamento que durou 56 anos de muito amor e companheirismo, (1952-2008) mas, na verdade acredito que era ele quem também me mantinha firme no relacionamento. Portanto, por uma questão de auto-sobrevivência, lanço a campanha 'Salvem os Homens!' Tomem aqui os meus poucos conhecimentos em fisiologia da masculinidade a fim de que preservemos os raros e preciosos exemplares que ainda restam:

1. Habitat

Homem não pode ser mantido em cativeiro. Se for engaiolado, fugirá ou morrerá por dentro. Não há corrente que os prenda e os que se submetem à jaula perdem o seu DNA. Você jamais terá a posse ou a propriedade de um homem, o que vai prendê-lo a você é uma linha frágil que precisa ser reforçada diariamente, com dedicação, atenção, carinho e amor.

2. Alimentação Correta

Ninguém vive de vento. Homem vive de carinho, comida e bebida. Dê-lhe em abundância. É coisa de homem, sim, e se ele não receber de você vai pegar de outra. Beijos matinais e um 'eu te amo’ no café da manhã os mantêm viçosos, felizes e realizados durante todo o dia. Um abraço diário é como a água para as samambaias. Não o deixe desidratar. Pelo menos uma vez por mês é necessário, senão obrigatório, servir um prato especial. Portanto não se faça de dondoca preguiçosa e fresca ... Homem não gosta disso. Ele precisa de companheira autêntica, forte e resolutiva.

3. Carinho

Também faz parte de seu cardápio – homem mal tratado fica vulnerável a rapidamente interessar-se na rua por quem o trata melhor. Se você quer ter a dedicação de um companheiro completo, trate-o muito bem, caso contrário outra o fará e você só saberá quando não houver mais volta.

4. Respeite a natureza

Você não suporta trabalho em casa? Cerveja? Futebol? Pescaria? Amigos? Liberdade? Carros? Case-se com uma Mulher. Homens são folgados. Desarrumam tudo. São durões. Não gostam de telefones. Odeiam discutir a relação. Odeiam shoppings. Enfim, se quiser viver com um homem, prepare-se para isso.

5. Não Anule Sua Origem

O homem sempre foi o macho provedor da família, portanto é típico valorizar negócios, trabalho, dinheiro, finanças, investimentos, empreendimentos. Entenda tudo isso e apoie.

6. Cérebro Masculino Não é um Mito

Por insegurança, a maioria dos homens prefere não acreditar na existência do cérebro feminino, mas não gostam de mulheres burras.

Por isso, procuram aquelas que fingem não possuí-lo (e algumas realmente não possuem! Também, 7 bilhões de neurônios a menos!).

Então, aguente mais essa: mulher sem cérebro não é mulher, mas um mero objeto de decoração. Se você se cansou de colecionar amigos gays e homossexuais delicados, tente se relacionar com um homem de verdade. Alguns vão lhe mostrar que têm mais massa cinzenta do que você. Não fuja desses, aprenda com eles e cresça. E não se preocupe, ao contrário do que ocorre com as mulheres, a inteligência não funciona como repelente para os homens. Não faça sombra sobre ele... Se você quiser ser uma grande mulher tenha um grande homem ao seu lado, nunca atrás. Assim, quando ele brilhar, você vai pegar um bronzeado. Porém, se ele estiver atrás, você vai levar um pé-na-bunda. Aceite: homens também têm luz própria e não dependem de nós para brilhar. A mulher sábia alimenta os potenciais do parceiro e os utiliza para motivar os próprios. Ela sabe que, preservando e cultivando o seu homem, ela estará salvando a si mesma. E minha Amiga, se Você acha que Homem dá muito trabalho, case-se com uma Mulher e aí Você vai ver o que é Mau Humor! Só tem homem bom quem sabe fazê-lo ser bom! Eu fiz a minha parte, por isso meu casamento foi muito bom e consegui fazer o Fernando muito feliz até o último momento de um enfisema que o levou de mim. Eu fui uma grande mulher ao lado dele, sempre.

Com carinho,

Fernanda Montenegro
Recolher esta postagem




Fonte: Nanci Freitas
Interessante.